A união fazendo a força: o trabalho da UNITED LIVES mudando a vida de pessoas na Índia

Por Priscila Silva e Raquel Gomes

As invisibilidades na sociedade contemporânea acometem ruas do mundo. A ideia de cosmopolita assegura aos nossos olhos as disparidades que existem no cotidiano de seres humanos diversos. Culturas e etnias são esquecidas, ou mesmo colocadas em lugares que os nossos olhos não enxergam. A cegueira sobre os outros acaba por ser o legado de nossos tempos.

Como videntes, existe uma espécie de pessoa que vê na proximidade ao outro uma razão para existir. O racionalismo de desafetos toma uma atmosfera cujo cuidado vislumbra melhorias a si, dignidade ao próximo. À vista de um cotidiano politizado, o cuidado com a cidade implica na melhoria aos habitantes que nela moram.

Há pessoas que vislumbram na doação o ato de cuidado com a cidade. Há uma espécie de seres humanos que distinguem em suas vistas o espetáculo, entregando-se a necessidades básicas do próximo. Anônimos trabalham para que o cotidiano da sua morada mude, revolucionam vidas sem serem registrados pela História.

Doam alimentos, participam de projetos sociais e voluntariados, e assim, cumprem com seus papéis de cidadãos preocupados com o futuro deste próximo necessitado ou totalmente desprovido de recursos; e há, também, os que se empenham muito além de seus próprios limites, e, graças aos parceiros que encontram em seus caminhos, fundam ONGs as quais promovem ações políticas. A política do cuidado da cidade.

Prabha Vasuki, uma indiana de 36 anos, gerencia uma ONG em que atua há mais de 10 anos em vários setores da sociedade em Chennai, sul da Índia. Para ela, o próximo também é importante do ponto de vista espiritual e religioso, devendo ser amado e respeitado como uma extensão de nós mesmos. Sob esta visão e disposição, a UNITED LIVES Make the Differences, cuja tradução livre seria “vidas unidas fazem a diferença”, é a união de vidas preocupadas com a manutenção da vida de crianças sem perspectiva e homens e mulheres pobres, atuando desde o fornecimento de roupas e alimentos aos mais necessitados, até o oferecimento de oficinas de treinamento para colocação de homens e mulheres no mercado de trabalho.

No vídeo de Saulo Bortoloso, Prabha descreve um pouco do trabalho da organização, como o treinamento de adultos e o cuidado de crianças, fornecendo-lhes principalmente a oportunidade de estudar. Prabha também critica a falta de saneamento básico nas comunidades indianas mais pobres, que lhes proporciona problemas de saúde, e a crescente mendicância, fruto da desinformação dos pais quanto à importância da educação e do trabalho. Sua luta pela educação visa diminuir o impacto desta prática na sociedade indiana, melhorando a vida das crianças e dando-lhes uma infância digna, que ora é roubada pela necessidade de pedir trocados pela sobrevivência.

Acompanhe a entrevista que Prabha concedeu à Escrita Pulsante:

Comecemos com a ideia de ajuda ao próximo. O nome da entidade é “vidas unidas fazem a diferença”. Quando você sentiu a necessidade de “fazer a diferença” na vida destas pessoas ajudadas pela organização?

Meu pai era órfão e, portanto, passou por vários problemas na vida. Quando se tornou adulto, começou a ajudar órfãos e pessoas pobres nas ruas, oferecendo comida, pagando escolas, treinamentos profissionais, roupas, e fazendo barracos para viverem. Eu costumava ir sozinha com ele, e pensava comigo o quão grandes eram esses gestos e a diferença que eles faziam na vida das pessoas. Quando fiz 25 anos, meu marido e eu começamos estas ações, e hoje tenho 36 anos.

A organização ajuda não somente crianças carentes, mas também portadores de doenças como lepra e tribos “marginalizadas” pelas sociedades contemporâneas, como é o caso dos ciganos. Como você vê esta segregação em pleno século XXI, mesmo com tanta informação e acesso à cultura do outro? Como você compreende e lida com estas formas de intolerância?

Há inúmeras diferenças culturais que inspiram os mais importantes valores humanos. Estamos trabalhando com uma equipe comprometida com pessoas e sacrifícios. Se tivermos apenas um motivo, isto já muda o estilo de vida das pessoas que mais necessitam. Todas as outras coisas são toleráveis, e estamos acostumadas a elas.

Você já presenciou cenas desagradáveis que afirmem o comportamento preconceituoso de algumas pessoas?

Sim, nós já presenciamos acontecimentos desagradáveis na comunidade. Um grupo de pessoas chamados de ciganos e tribais não permitem que suas crianças vão para as escolas. Eles permitem a circulação normal. O corte de cabelo e o banho são contra seu Deus e este é um crime na comunidade. Porém, as escolas não aceitam garotos com cabelo longo. Quando cortamos os cabelos e banhamos as crianças, os pais se embebedam e brigam conosco, nos seguindo pelas ruas, etc.

Ainda com relação à intolerância e diferenças culturais, você já passou por alguma situação de necessidade básica, agressão ou preconceito, seja étnico, sexista ou por qualquer outra razão?

Há várias necessidades como comida, roupas, abrigo, medicamentos, educação, trabalho, treinamentos, etc. As reabilitações para homens usuários de drogas e álcool são um grande desafio aqui. Vários matrimônios são destruídos por causa das drogas e do álcool. Elas têm os filhos nas ruas, e esta é a reabilitação. Estas são as situações que vejo e com as quais sofro também.

Como as relações diárias com as pessoas ajudadas pela instituição influenciam a Prabha enquanto pessoa? Estas situações influenciam de alguma forma a sua vida pessoal?

Estas situações não afetam a minha vida pessoal ou a minha família. Passo bastante tempo com meu marido e filhos. Levo as crianças ao shopping, locais turísticos durante os feriados e finais de semana com meu marido. É tudo fácil para mim, pois trabalho com uma equipe e não sozinha. Nossa equipe consiste em 7 membros: um médico, um professor, um cientista social, um organizador da comunidade e mulheres.

Você é uma pessoa religiosa? Qual é o papel da religiosidade nas obras que você pratica?

Eu sou cristã, porém, o meu trabalho não é a conversão para a minha religião. Não falamos sobre religião durante os trabalhos. Todas as pessoas que trabalham comigo são religiosas.

Todas as nossas ações influenciam, de uma forma ou de outra, a vida das pessoas ao nosso redor. Você e sua organização influenciam e mudam a vida de algumas centenas que precisam de ajuda. Como são as respostas das pessoas a estas ações influenciam a sua vida?

As pessoas são muito cooperativas. Às vezes alguns pequenos problemas aparecem e os líderes locais nos ajudam a resolvê-los. Nosso trabalho é somente com o governo local e a polícia local. Os oficiais de governo sempre nos ajudam de muito bom gosto.

Fotos: Prabha Vasuki.

MAIS INFORMAÇÕES E CONTATO DA INSTITUIÇÃO:
Fundadora/ Presidenta: S. PRABHA VASUKI
Vice-Presidente : K.SELVAM
3/ 92B, SCHOOL STREET,
VETTUVANKENI – CHENNAI – 6000115
TAMIL NADU- SOUTH INDIA.
Contatos:
+91-86 81 81 81 94
+91-86 81 81 81 92
+91- 60 50 73 33
Email : gypsyprabha@gmail.com
unitedlives.org@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s