A cultura afro no Pacífico colombiano

Por Sandra Patricia Caicedo
Professora de Sociologia

Imagem: Pinterest

Imagem: Pinterest

A Colômbia é o único país da América do Sul que desfruta de um enorme privilégio: estar de costas com o oceano Atlântico (especificamente no mar do Caribe) e no oceano Pacífico; isso contribuiu para que o maior tráfico de escravos na época colonial ocorresse pela Cartagena das Índias no litoral norte e em Buenaventura no litoral sudoeste; dessa forma, muitos dos refugiados ou populações de escravos fugitivos e libertos se localizavam nestas costas, embora fossem reconhecidas como assentamentos livres após a abolição da escravatura em 1851, somente na Constituição de 1991 que se reconheceu legalmente a existência de comunidades afro-colombianas como grupos étnicos com particularidades culturais.

Uma vez que a população do Litoral Pacífico é a que tem a cultura africana mais enraizada em suas práticas religiosas, musicais e alimentares, neste artigo será mostrada parte deste legado, em especial, o das populações localizadas no departamento de Valle del Cauca.

Traços culturais dos afro-colombianos do Pacífico

A região do Litoral Pacífico é uma planície úmida e chuvosa que se estende desde as montanhas de Baudo, na fronteira com o Panamá, até a foz do Rio Mira, nos limites com o Equador, em uma extensão de 78.618 km2. A zona do Pacífico sul se caracteriza por uma paisagem de mangues e pântanos, motivo pelo qual a maioria dos assentamentos se encontra distante uns dos outros e se constituem de casas de palafitas, enquanto o transporte se dá por canoas pelos charcos e rios da área.

A população colombiana é de mais de 4,3 milhões de pessoas, sendo que 1,5 milhões habitam a área do Litoral Pacífico (DANE, 2005), especificamente os departamentos de Chocó, Valle del Cauca, Cauca y Nariño, um total de 80% dos habitantes do pacífico vive na pobreza.

Foto n° 1 - A casa do Pacífico colombiano, a palafita.

Foto n° 1 – A casa do Pacífico colombiano, a palafita.

Foto n° 2- Paisagem de um charco no pacífico colombiano.

Foto n° 2- Paisagem de um charco no pacífico colombiano.

Enquanto Buenaventura é a cidade mais habitada do Pacífico e abriga o porto mais importante da Colômbia (por este porto circulam mais de 50% do comércio externo), os planos de desenvolvimento nacional quase o separaram do futuro: o investimento social é inversamente proporcional à importância dada a sua localização. De fato, esta é uma área onde prevalece a ausência do Estado, onde os grupos à margem da lei (narcotraficantes, paramilitares, guerrilheiros e bandos de criminosos) impuseram “ordem”.

No entanto, em meio a todo este panorama desalentador persiste uma alegria cultural única em seus habitantes que contagia até o espírito mais desesperançado e ela tem relação especificamente com a música cheia de tambores, marimba (denominado como “piano da selva”) e o guasá, acompanhados de cantos bonitos (grupos de mulheres cantoras) e danças que narram à vida no Pacífico.

Como exemplo desta musicalidade, temos o currulao, cuja origem está relacionada aos tambores da religião africana, a chirimía, o bunde e o conjunto de marimba. Todas essas expressões musicais foram incorporadas a um festival que busca conservá-las como patrimônio cultural: o Festival de Música del Pacífico Petronio Álvarez. Este evento, chamado assim em homenagem ao compositor mais importante da região, é celebrado há quase duas décadas na cidade de Cali. No mês de agosto, este festival busca mostrar compositores, grupos musicais e pesquisadores da música afro-colombiana, bem como ressaltar a cultura negra no que diz respeito à gastronomia, penteados, pinturas ³, vestidos, joalheria, artesanato, etc.

Foto n° 3 - Tipo de penteado dos afro-colombianos (foto de www.puzlo.com)

Foto n° 3 – Tipo de penteado dos afro-colombianos (foto de http://www.puzlo.com)

Entretanto, a religião também fez florescer práticas musicais que, em meio ao sincretismo de um povo explorado e ignorado por um longo período da história da Colômbia, denotam o amor filial, a compaixão, a solidariedade com o oprimido e os demais traços fundamentais do cristianismo. O que tornou significativas estas manifestações religiosas foi o forte sentido de comunidade que se manifesta em suas festas patronais (Nossa Senhora do Carmo, Virgem Maria, Santo Antônio, entre outros) e os rituais fúnebres, é especial os das crianças: quando uma criança com menos de sete anos morre (chigualo), há um ambiente de alegria e entusiasmo, porque este “anjinho” escapou do sofrimento e alcançou “a glória de Deus”, na noite de seu velório prevalecem os cantos que animam a alma que chega ao céu para afugentar os “maus espíritos”. Os cantos religiosos como o louvor, o arrulho e os salves (louvores de Santa Maria), combinam de forma indistinta referências à vida do falecido e exortações místicas.

Foto n° 4 - Ritual fúnebre para uma criança de menos de sete anos (foto de cali.gov.co)

Foto n° 4 – Ritual fúnebre para uma criança de menos de sete anos (foto de cali.gov.co)

Esses cantos são da época da escravidão e, em princípio, foram evocados como relatos satíricos para repelir o fato de serem considerados como mercadorias.

Assim, a religiosidade e a visão de mundo afro-colombiana se relacionam com o esquema de religiões africanas subjacentes em sua cultura.

Fotos sob responsabilidade da autora do artigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s