Escritas pulsantes: a ponte possível, o ponto provável, a-travessia

Arte: Raquel Gomes

Arte: Raquel Gomes

Em Fragmentos de um Discurso Amoroso, Barthes dizia: “A linguagem é uma pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse palavras ao invés de dedos, ou dedos nas pontas das palavras”. Com Barthes percebemos que a linguagem é o elo entre as palavras, as coisas e, sobretudo, o ser, já que é a vida e o coração da experiência que busca se traduzir ininterruptamente. Para que haja experiência é imprescindível que exista a pulsação do ser e que este mesmo ser se vivifique e encontre-se movido pelo desejo de dizer algo por meio da palavra, mas não qualquer palavra, há que ser a palavra em suas duas faces: imponência conjugada à pura poesia.

A palavra, aqui entendida como escrita, é a parteira dos sonhos: dela viemos e nela nos regozijamos. A identidade está no duelo, este que constitui a essência humana — veja você que não há como ser cartesiano diante dos abismos do ser. A palavra, por ser fonte de vida, habita o movimento paradoxal: ao inscrever-se, escreve a si mesma; ao traduzir, se oculta, deixando em suspenso o enigma e tornando-se, dessa forma, a ponte possível — o ponto provável.

É, justamente, dessa cadência que emerge uma pulsação desconcertante e, ao mesmo tempo, indispensável. Assim, para que pulse é preciso que haja febre nas pontas dos dedos, febre louçã capaz de anuviar pensamentos e de colocar em xeque a pretensa exatidão do ser. A escrita não pede para ser, ela simplesmente é, e está no entremeio: aquele espaço entre o dito e o que ficou por dizer, o vão que se quer apagar, mas que insiste em aparecer, a insinuação desejosa…

Ela é a própria linha tênue e seus caminhos por desbravar. Dela extraímos a vida, principalmente quando, com a boca seca de palavras, o ser carece de comunicar-se, de dizer-se, enfim, de desvencilhar-se do peso da história por ele tecida cotidianamente. Diante deste cotidiano é que o ser busca sangrar suas inquietudes, para isso há que se viver a escrita e nela latejar, assim como pulsa o coração-correnteza. É por meio da escrita que pulsa o desassossego desmedido que corrói a experiência humana.

Certa vez, Clarice Lispector em Um sopro de vida chegou a dizer: “Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida. Viver é uma espécie de loucura que a morte faz. Vivam os mortos, porque neles vivemos. […] Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto — e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio terrivelmente perigoso: dele arranco sangue. Sou um escritor que tem medo da cilada das palavras: as palavras que digo escondem outras […]. Escrever é uma pedra lançada no poço fundo”, mas, de igual modo, escrever é viver…

Escrever é estar atento às minúcias que se aconchegam à vida, que nos ausentam das zonas de conforto e nos proíbem de congelar o sorriso pela trépida força da necessidade. A escrita pulsante pulsa porque é vida; pulsa porque se faz e refaz daquilo que de mais belo e grotesco tem o ser: Viver —, e assim correr o risco da existência que acontece neste exato momento (ou nem tão exato assim).

 

Por Debora Duarte dos Santos, em junho de 2014.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s